O PMDB paga o preço da sacanagem que fez com Veneziano Vital

01-07-2014
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votes, average: 2,00 out of 5)
Loading ... Loading ...

venezianoPor Wellington Farias
O PMDB está pagando muito caro a pelo que fez com o ex-prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rego. Foi uma tremenda traição, movida sobretudo por interesses de alguns poucos, que fazem desta outrora respeitosa sigla, um instrumento para suas barganhas.

Neste processo de definições de candidaturas, o partido age como a mais reles das prostitutas: ora está com um, ora está com outro; e não fica nem consigo mesmo. É o reino-do-vai-e-vem. Do ponto de vista da pedagogia política é uma imoralidade. Um péssimo exemplo que deixa pras novas gerações: um partido movido por interesses pessoais e menores; que não tem projeto para o próprio partido, muito menos para a Paraíba.

No decorrer de apenas uma semana, o PMDB deu a rasteira em Veneziano, deixando-o sozinho no altar; passou uma noite com o governador Ricardo Coutinho (PSB); cinco horas depois já havia paquerado com Cássio Cunha Lima (PSDB), depois de abandonar o novo amante; e, às primeiras horas de sábado, casou-se novamente, desta vez com o senador Vital do Rego. De ontem à noite à madrugada de hoje, já havia desistido de Vital, mesmo que por algumas horas, apenas: uma banda foi se amassar com Ricardo Coutinho e a outra, ao mesmo tempo, engalfinhou-se nos lençóis de Cássio Cunha Lima.

É uma trajetória deplorável para um partido que já foi tão respeitado pela Paraíba.

Veneziano era, sim, um projeto absolutamente viável. Foi o único dos então pre-candidatos que levou a Paraíba a sério: saiu percorrendo o Estado em busca de informações capazes de lhe oferecer um retrato fiel da nossa realidade para que, a partir de então, elaborar um plano visando o desenvolvimento da Paraíba. E o PMDB estimulou e, com muita falsidade, fingiu apoiar. No fundo, o que prevaleceria mesmo eram interesses outros que nem de longe dizem respeito à Paraíba nem aos paraibanos.

A esta altura dos acontecimentos, de uma coisa ninguém tem dúvida: o único perdedor (e de forma vergonhosa) é o PMDB.

Coitado do senador Humberto Lucena, que tanto trabalho teve para construir este partido: deve estar se revirando no túmulo com a traição à sua memória.

 

 

Compartilhe:

  • Stumble upon
  • twitter